terça-feira, 11 de setembro de 2018

Resenha: Motörhead – Orgasmatron (1986)


O Motörhead é aquela instituição do Rock Pesado que está fazendo uma falta danada! E lá se vão quase três anos da morte de Ian Fraser Kilmister (1945 – 2015), o nosso inesquecível Lemmy…

Após ‘Another Perfect Day’ (1983), que teve lá suas meias polêmicas, a formação foi totalmente reestruturada, até que se firmou com a dupla de guitarristas Phill Campbell (ex-Persian Risk) e Würzel (cujo nome real era Michael Burston, também já falecido, em 2011), além do ex-baterista do Saxon, Pete Gill. Assim, entre lançamentos de singles, compilações e outros materiais, finalmente o ano de 1986 chegou e no dia 09 de agosto foi lançado pela GWR Records ‘Orgasmatron’, o oitavo full length da banda.
Com mais uma bela arte de capa feita pelo ultra requisitado Joe Petagno – que ao longo da carreira trabalhou outras 16 vezes com o Motörhead – o álbum apresenta nove composições da peculiar sonoridade do então quarteto. Se o anterior apresentou um certo “refinamento” nas composições, instantaneamente apenas pelo
título ‘Orgasmatron’ já se tem uma noção básica do que aguarda o ouvinte em um pouco mais de 35 minutos de total Heavy Metal, Rock’n’Roll e Speed!

“Deaf Forever” começa o trabalho de uma maneira mais contida, é verdade, dando a impressão que o capitão Lemmy e sua nova companhia de artilharia estavam escondendo as táticas de guerra, mas é fato que apesar de não ser uma música ruim, por se tratar de uma abertura, ficou devendo sim. Entretanto, a mascote Snaggletooth estilizada como uma locomotiva não foi em vão, já que “Nothing Up My Sleeve” tranquiliza aqueles que necessitam de uma generosa dose de adrenalina, com suas batidas rápidas e riffs cortantes! Se o álbum tivesse começado com ela, seria outra coisa…

Se o leitor (e ouvinte!) pensou que a carga energética diminuiu, está muito enganado e pode tomar um fôlego pois as também velozes “Ain’t My Crime”, “Claw” – com uma bela introdução oferecida por Pete Gill e seu kit de “pancadas” – e “Mean Machine” tiveram a obrigação de não deixar pedra sob pedra. Uma legitima trinca insana!

Apesar do título “Built for Speed” não mantém as características das anteriores e apresenta uma vibe meio setentista, mas não deixa a peteca cair de maneira alguma. Os motores se esquentam novamente com “Ridin’ With the Driver”, onde em alta velocidade você será levado a um tresloucado consultório em “Dr. Rock”.  A diversão chega ao fim com a faixa título “Orgasmatron”, uma das mais famosas da banda. Sua levada rasteira e ambientação soturna fizeram com que bandas como Sepultura e Satyricon prestassem homenagens ao Motörhead com suas versões.

Se você já conhece pelo menos algum som dessa eterna instituição da Música Pesada, sabe bem o que te espera. Agora, se não conhece… Crie vergonha nessa cara e coloque esse ‘play’ pra rodar!

Formação:
Lemmy Kilmister (R.I.P. 2015) (vocal e baixo);
Phil Campbell (guitarra);
Würzel (R.I.P. 2011) (guitarra);
Pete Gill (bateria)

Faixas:
01. Deaf Forever
02. Nothing Up My Sleeve
03. Ain’t My Crime
04. Claw
05. Mean Machine
06. Built for Speed
07. Ridin’ with the Driver
08. Doctor Rock
09. Orgasmatron.

Por Vitor Sobreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...