quinta-feira, 6 de julho de 2017

Dorsal Atlântica: Banda fala sobre o novo álbum “Canudos” e anuncia novo baterista

 
“Canudos”, o novo álbum da lendária banda Dorsal Atlântica, passa pelo processo de mixagem no fim do mês de junho. O vocalista/guitarrista Carlos Lopes comentou recentemente a respeito da produção: “mesmo tendo em mente o que queria desde o início, e com as composições definidas, todo e qualquer disco adquire a cara durante o processo de feitura, que se estende pela mixagem e masterização, e mais decisões nascem a seguir. Todos os discos que criei são biográficos, fotografias e sessões de análise. 

Exponho o que vejo, sinto e concluo sem piedade nem para comigo, nem com os ouvintes. Sou artista, sempre fui e creio que não deixarei de ser até o desencarne”.

“Não estou nessa para receber aplausos, e nem para alimentar podres poderes. Só posso responder por mim e por mais ninguém. Cada um é um universo, assim como eu. Os quadrinhos da Dorsal são exposições de sonhos e fraturas assim como “CANUDOS”. E neste momento, não estou decepcionado com o país e nem com as pessoas, porque aí seria eu contra o mundo. Estou cansado de tanta babaquice. Mas graças a Deus ainda temos o céu, o mar, o ar, o sol, a lua, os animais, e o amor. Não trago ódio no coração, mas luto pelo meu pedaço de terra como os Canudenses fizeram até a morte. Não importam os vencedores, não importa que você seja único, o último. Apenas faça, apenas seja!”.

Além disso, a Dorsal Atlântica anunciou Américo Mortágua como
o seu mais novo baterista, o qual participou do processo de gravação do álbum “Canudos”. 

“Decidi gravar o disco com meu antigo companheiro das bandas Mustang e Usina, o baterista Americo Mortágua, mais adequado a este trabalho”, afirma Carlos.

Ainda sobre “Canudos”, o músico declara: “não houve ensaios. O resultado é um ato de fé, um sacerdócio à arte. A força dos Canudenses precisava ser a minha. Dediquei-me a impregnar o disco de emoção, até mesmo como homenagem a minha mãe nordestina”.

“Sem rusticidade não haveria como falar sobre o sertão. Gravei as guitarras para que soassem como berimbaus, como chicotes, por assim dizer. Acordes abertos, harmônicos, vocalizações, sons graves, e peles porosas. CANUDOS é o rompimento com a estética globalizada “global metal”, por assim dizer. Não me interessa fazer parte do mundo, me interessa o Saci, o Curupira, e o Boto Rosa. Quanto mais agressividade adicionava à estética, mais refinamento contrabalançava o peso. Se o disco é Brasil com Suassuna, Baden e Vinicius, também é o coração do menino nos anos 70 que ouvia Beatles, Queen, Thin Lizzy, The Clash e Sex Pistols”.

“Convoquem os amigos a apoiarem a campanha financeiramente na página do site Cartarse. Os fãs, o público, são fundamentais para fortalecer e tornar viável este disco da Dorsal Atlântica. Melhor dizer que não seja apenas mais um disco, mas o melhor e o mais brasileiro de todos os nossos trabalhos”.

A campanha para financiamento de “Canudos” não chegou ao final, apesar de o disco já estar sendo gravado. O apoiador da campanha terá o seu nome impresso no encarte e receberá o CD em primeira mão. Para participar, acesse 


O tracklist de “Canudos” pode ser conferido a seguir:
1 – Canudos
2 – Belo Monte
3 – Não temos nada a temer
4 – O minuto antes da batalha
5 – Carpideiras
6 – A Conselheira
7 – Sonho Acabado
8 – Cocorobó
9 – Araçá do Peito Azul de Lear
10 – Gravata Vermelha
11 – Liberdade
12 – Favela
13 – Ordem e Progresso
Acompanhe a Dorsal Atlântica nas redes sociais: www.facebook.com/dorsalatlantica

Fonte: Black Legion Prod

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...