terça-feira, 16 de agosto de 2016

Entrevista: Alex Campos,fundador, compositor, vocalista & guitarrista da banda Basttardos fala sobre o novo clipe e a banda




O Bando carioca “Basttardos” surge como uma manifestação de arte inusitada, mesclando diversas ramificações do Rock & Metal em sua alquimia sonora, onde explorar a criatividade é lei! Autenticidade, versatilidade e alma nas composições equilibram melodia e agressividade de forma ousada e inteligente, com doses de acessibilidade e letras em língua pátria. Agregando também influências cinematográficas de Horror & Western, é uma obra a ser apreciada independente de rótulos.

 

FMBR:Como surgiu a ideia da banda?

Alex Campos: Já são 16 anos respirando música - literalmente. A ideia inicial era priorizar a arte em um só projeto, e de fato, fazer acontecer. Quando decidi colocar em prática, convidei o velho amigo “Bernardo Martins” (Bateria). Certamente é o melhor momento da nossa carreira.


FMBR:Há quanto tempo o Basttardos está na ativa?

Alex Campos: Desde 2010. Não rolou uma data exata como; “A banda começou hoje!”, então consideramos “ponto de partida”, o dia que entramos em estúdio para gravação da primeira canção, há seis anos.


FMBR:Quais são as influências mais marcantes do trabalho de vocês?

Alex Campos: Explorar a criatividade sempre foi um objetivo. Música e cinema são fundamentais na proposta, uma comunicação natural de influências. Obviamente temos como base o Rock/Metal, mas mesclando suas diversas ramificações - sem rótulos e sem limites -, trazendo personalidade ao trabalho.


FMBR:O Basttardos é na verdade “um trio de dois”, pois o terceiro integrante é um personagem até então fictício, pode falar um pouco sobre essa ideia?

Alex Campos: Claro. Durante minha trajetória na música, infelizmente era recorrente ficar na “mão” de pessoas que definitivamente não estavam dispostas a “pagar um preço”, e Bernardo partilhava da mesma experiência, até porque tivemos alguns projetos juntos. Simplificando e seguindo adiante por nós mesmos, afirmo que nunca estivemos tão realizados! Quanto ao “Terceiro Elemento”, a ficção seria mais em sua estética visual, já que também agregamos influências cinematográficas do terror, mas ele existe e habita em todos nós!   


FMBR:Sabemos da resistência que é cantar rock/metal em português, por que decidiram fazer musicas no nosso idioma? Como é a reação das pessoas? É bem aceito ou enfrentam muita dificuldades e caras feias?

Alex Campos: Nosso compromisso é com a verdade, ou seja, nada mais honesto do que valorizar o próprio idioma. Sendo brasileiro, penso, sinto e escrevo em língua pátria. Não é fácil compor em português, exige cautela em certas colocações pra não soar “brega” ou clichê, mas digo com convicção que é possível transmitir emoção com naturalidade. Sim, a aceitação tem sido ótima! Não queremos convencer, mas compartilhar experiências.


FMBR:O CD “O Último Expresso” é o segundo trabalho da banda, na opinião de vocês no que ele difere do primeiro trabalho?

Alex Campos: O 1º disco - geralmente - é um apanhado de ideias que nascem ao longo do tempo, um misto de “novas e antigas” músicas. Existia uma busca para entender o que seria uma representação honesta, e na raça “Dois Contra O Mundo” foi concebido. Já “O Último Expresso“ é um disco cheio de conceitos, todas as músicas estão ligadas, pois
compus diretamente pra esse disco, como uma unidade. Naturalmente amadurecemos profissionalmente, artisticamente e musicalmente, mas a intenção é essa mesmo, uma constante evolução.

 

FMBR:Recentemente vocês lançaram o clipe do Single “Despertar de um parto”, um clipe por sinal muito bem feito. Qual é a principal mensagem que a banda busca passar com ele?

Alex Campos: Obrigado. Relata o quanto a vida de um filho pode transformar radicalmente a vida de um pai. Algo como a redenção, seja no vício, dificuldade financeira, falta de perspectiva, enfim, diante de qualquer situação, nada é mais impactante para um homem do que o privilégio de ser pai. Que todos possam experimentar o “Despertar do Parto”!

Confira o clipe:


FMBR:Como é ser uma banda independente, isto é, sem gravadora ou assessoria, é mais difícil atingir o público ou há apoio? E por que motivo à banda optou por esse caminho?

Alex Campos: Ser independente é amar o que faz acima de tudo, e o estímulo deve partir de você mesmo. Hoje em dia é possível administrar a própria carreira, acredito. Foco, profissionalismo e seriedade são “ingredientes” indispensáveis, e para nós, o importante é a integridade da banda estar intacta. Claro que auxílios externos - parceiros diretos - colaborariam bastante, mas até o momento, estamos satisfeitos de conduzir o trabalho desta forma, contando com apoio de amigos, fãs e mídia especializada.


FMBR:As músicas são vocês mesmo que compõem?

Alex Campos: Eu sou o compositor do “Basttardos”, embora não seja uma regra pré-estabelecida, mas desde muito cedo escrevo letras, melodias, arranjos... Sempre fui ligado à música, sendo a forma mais natural para expressar meus sentimentos. Exercitar a criatividade é sentir vida em mim mesmo.
 

FMBR:Considerações finais.

Alex Campos: Agradeço pelo espaço e parabéns pela “força” dedicada ao Underground BR! Acessem nosso site oficial e fiquem por dentro das novidades.O legado importa mais!

Basttardos é:

 Alex Campos, Bernardo Martins e Terceiro Elemento.

 Links oficiais:
 


 

Por: Laíse Moreira S.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...