domingo, 3 de julho de 2016

Entrevista Internacional: Dave Ingram fala sobre o álbum do Nefasturris e muito mais

Depois de tocar em diversas bandas o baixista/vocalista britânico Dave Ingram decidiu que era hora de gravar uma mistura eclética de ideias, aquelas que não se encaixariam em nenhum dos projetos dos quais ele fez – e faz– parte. Assim teve início o Nefasturris.

 

FMBR:Por favor, dê-nos uma breve biografia do Nefasturris.
 
Formei o Nefasturris em 2013, sendo que o mesmo se tornou realmente ativo apenas no início de 2014. Começou como um "projeto solo", por falta de uma frase melhor. Trata-se de algo que eu queria formar para lançar um monte de ideias que tive, sem ilusões de sucesso ou algo assim. A discografia, até agora, é só o single 'Male Supremacy/Nothing to Gain' (o dinheiro arrecadado será doado à fundação de câncer Ronnie James Dio). Uns dois anos atrás soube que meu grande amigo Malcolm Shipman– que dirige o Snooty Fox, casa de rock e metal muito amada aqui no Reino Unido – estava enfrentando algumas dificuldades financeiras e eu não pude ficar de braços cruzados e ver as coisas piorarem. Então mudei o Nefasturris: o próximo álbum contará agora com uma banda completa, mais um monte de músicos convidados, com o objetivo de doar cada centavo do dinheiro arrecadado para o Malcolm. Afinal de contas, levando em consideração o que ele tem feito pela a cena do metal britânico, simplesmente parecia a coisa certa a se fazer – e todo mundo está muito animado com a ideia.


FMBR:Você recentemente postou online a versão para 'Male Supremacy' do Carnivore, que é, na verdade, um teaser para o álbum do Nefasturris. Por que você escolheu fazer um cover dessa faixa em particular?

 
Eu realmente gosto dessa música! Acredito que 'Male Supremacy' seja uma das maiores faixas já escritas, e o Carnivore– apesar de ser extremamente influente – parece nunca ser mencionado o bastante em comparação com bandas como Vio-lence ou Sacred Reich. Além do mais, o rock’n'roll deveria provocar as pessoas, e o Carnivore era mestre nisso. E, finalmente, devo dizer que Pete Steele é uma das minhas maiores influências como baixista.


FMBR:O que podemos esperar do álbum?

 
Variedade! Como mencionei anteriormente, o Nefasturris foi concebido inicialmente apenas para registrar músicas da minha cabeça em um CD. Por tocar em outras bandas, tenho alguma liberdade criativa, mas ainda tenho que aderir a visão dessas bandas. Não teria como injetar harmonias de guitarra na veia do ThinLizzy, ou grandes seções limpas no meio de um álbum do Demolition Hammer, porque não é essa a pegada deles. Por isso o disco será uma grande mistura, do início ao fim.


FMBR:O nome da banda é baseado no vídeo game Devil May Cry2. Sobre o que são as letras?

 
Hahaha, você é a primeira pessoa a fazer essa conexão! Você está absolutamente certo, o nome foi tirado de um monstro do Devil May Cry2, porque a tradução do latim é "Torre do Pecado", que não apenas é metal pra caralho, mas também resume minha visão da humanidade... E se encaixa muito bem na segunda metade da sua pergunta! Muita raiva contra atitudes e comportamentos que vejo muito hoje em dia, incluindo o estado da cena da música em si, mas há também um pouco de ironia na proposta. Mais uma vez, Pete Steele é uma influência enorme sobre mim, então tem muito sarcasmo contundente inserido. Mas não há qualquer referência direta ao Devil May Cry2, desculpe!


FMBR:Você também está envolvido com o Vindicator e as lendas do crustHellbastard. Comente, por favor.

Foto/divulgação
 
Entrei no Vindicator UK (devo frisar que não há relação alguma com a banda americana de mesmo nome) em julho de 2010, sendo que já conhecia o Vermintide por cerca de quatro anos, naquela altura. Já terminamos de produzir nosso álbum, Black Sacrament, que esperamos lançar em julho. O som é bem old school: Venom, Carcass e Death combinados em um só – uma mistura muito fina de estilos, se me permite dizer. Quanto ao Hellbastard, proposta que surgiu do nada; tenho sido um fã da banda por quase 15 anos e há cerca de um mês recebi um e-mail de Scruff Lewty me pedindo para tocar baixo para o Hellbastard em alguns shows na Europa! Dizer que fiquei chocado seria um enorme eufemismo, hahaha. Tivemos ensaio este fim de semana passado, foi fantástico. Mal posso esperar para subir ao palco com eles! Quanto a concretizar alguma coisa com a banda no futuro... Não saberia dizer. Você teria que perguntar ao Scruff!

FMBR:O resultado do referendo na semana passada pegou o mundo de surpresa. Como você vê a saída do Reino Unido da União Europeia afetando a vida das pessoas?

 
Fiquei um pouco chateado, para ser honesto. Boa parte disso foi baseada no medo do desconhecido, pois a maioria das pessoas neste país não tem experiência de vida fora da União Europeia – é um território desconhecido para nós. Serão as gerações futuras que acabarão por sofrer as consequências se as coisas azedarem, mas a decisão foi tomada. Temos que viver com isso, arregaçar as mangas e nos certificar de que todo mundo será amparado corretamente. Vai ficar muito difícil para bandas tocarem no continente, pois todos terão de gastar com vistos de trabalho, o que pode acabar tornando qualquer rendimento

de turnê completamente redundante – mas só o tempo dirá. Dito isto, se eu pudesse escolher a quem ceder o controle total de um país inteiro, com certeza não seria à merda do partido conservador.

FMBR:Como você vê a cena da música pesada no Reino Unido hoje em dia?

 
Ouça a faixa ‘Nothing To Gain’ do Nefasturris e você terá uma boa ideia!


FMBR:Você parece ser confundido frequentemente com seu homônimo (vocalista do Benediction).

foto/divulgação
 
Ha! Não tem fim! Dave (ou Dingram Snr, como eu costumo carinhosamente chamá-lo) tem sido um dos meus melhores amigos por mais de uma década. Ele me deu bons conselhos quando eu comecei nesta bosta de mundo da música, mas cara... Quando fiquei mais velho, começaram as confusões. Se você for no Google e digitar o meu nome, o perfil dele irá aparecer na borda da tela com a minha foto nele. Curiosamente, uma foto tirada da minha página do Metal Archives, onde está escrito claramente "não confundir com Dave Ingram (ex-BoltThrower, ex-Benediction)" em letras grandes! Vá na internet, faça sua pesquisa. Dito isto, adoramos o caos que isso gera – nos divertimos muito sempre que a confusão ocorre na mídia social. Costumo brincar que quando estiver no Obscene Extreme Festival no mês que vêm,vou compactuar com qualquer coisa que as pessoas me perguntarem sobre “minha” entrada no Hail Of Bullets. Desculpe, Dave!


FMBR:Quais são seus próximos planos para o resto do ano?

 
Após os shows do Hellbastard na Europa, voltarei direto para o processo de composição e pré-gravação do álbum do Nefasturris, pois aprender e ensaiar o setlist deles consumiu todo o meu tempo livre. Se der tudo certo conseguiremos gravar a bateria em torno do Natal, e vamos ver o que acontece a partir daí. Temos alguns shows do Vindicator marcados para perto do fim do ano, incluindo um com o Onslaught, que é minha banda favorita de todos os tempos. Fora isso, continuar trabalhando no meu trabalho regular de merda!






Por Denfire (Entrevista e tradução).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...