quarta-feira, 8 de junho de 2016

Entrevista: Conheça um pouco mais da trajetória e sobre o novo CD do Mr. Ego



O Mr. Ego é uma banda de 
Prog Metal, formada no ano de 1995, em Ribeirão Preto-SP, pelo baixista Paulo André. Desde então, o grupo passou por diversas formações, contando inclusive com o baterista Elóy Casagrande, hoje baterista da banda brasileira de metal mais respeitada no mundo ( Sepultura ) acumulando, ao longo dos anos, a experiência de ter se apresentado em diversas casas importantes, do interior e da capital paulista, conquistando o respeito do público e da crítica, comprovadas pelas diversas resenhas positivas nos principais sites e revistas especializadas em heavy metal do Brasil e do exterior. Em 2008 o Mr. Ego lançou o sua obra mais ousada, até então, Mythology, álbum totalmente embasado na mitologia da Grécia antiga.Além da saga temática narrada em Mythology, o trabalho conta, ainda, com as participações especiais de grandes músicos do cenário heavy metal nacional, como Felipe Andreoli ( Angra ), que empresta seu talento nas linhas de baixo da música “Lost Soul”, enquanto que o vocalista, Leandro Caçoilo, agrega valor na canção, "The Blade Of Truth" .
Entre 2009 e 2010 os mitos da Grécia antiga foram transportados para o Brasil através da Mythology Tour, que passou por um grande número de cidades do país.
Em 2013 André Anheiser Ferrari ( ex- Eyes Of Shiva ) assume os vocais e em 2015 entra Ricardo Longhi, baterista ( Ex- Eyes Of Shiva ).
A banda é formada por Paulo André ( Baixo ), Ricardo Longhi ( Bateria ), Igor ( Teclado ), Iuri ( Guitarra ) e André Anheiser Ferrari ( Voz ). A banda acaba de lançar seu mais novo cd Se7en.

 

FMBR: Como e quando surgiu a ideia de formar a Mr.Ego?

Paulo André: Eu tive a ideia em 1995, e convidei meu irmão Júlio. Ele topou na hora e desde então a banda passou por muitas formações, estilos e hoje eu sou o único da formação original e acredito que agora estamos na melhor fase da banda.  

FMBR: Quais são as principais influências da banda?
André: Grandes nomes do rock e metal progressivo como Symphony X, Dream Theather, Pink Floyd, Pain of Salvation, Pantera, entre outras. Já para criação de melodias, impossível eu me desligar e não me inspirar da minha velha escola do HardRock e AOR anos 80.

FMBR: Qual o maior objetivo de vocês hoje?
André: Nos firmarmos como banda autoral do gênero no Brasil e, principalmente, internacionalmente, onde público e
mercado são maiores para o mesmo. 

FMBR: O que vocês acham da cena do rock/metal no Brasil hoje principalmente com a crise atual que o país enfrenta?
André:O rock no Brasil vive uma situação delicada. Temos muitas bandas novas ainda com garra e muitas das antigas abandonaram suas atividades ou mudaram de estilo para tentar sobreviver e oferecer um material novo, mais atual. A crise afeta o cenário musical na promoção e venda de shows. Aqui no interior o mais comum é ver casas e contratantes deixando de trabalhar com rock para assumir um estilo mais comercial, que ainda consegue fazer uma noite acontecer (comercialmente falando). Então, a cada dia o número de shows para o gênero fica mais escasso. Mas eu não aponto como culpados somente contratantes. Falo com total segurança que boa parte dessa queda do rock se deve ao público. Brasileiro ainda enxerga noite/show como festa, bagunça e balada. Tanto que o mais comum é roqueiro reclamar da popularização de estilos populares e dançantes mas garantir sua presença nas festas dos mesmos. É complicado uma banda ser cobrada de álbuns e show enquanto o público rock esquece que ele é quem faz uma banda e um  cenário existir.  

FMBR: Existe para vocês o conflito entre ser uma banda autentica e ser uma banda comercial?
André
André: Ao meu ver, não. O conflito existe quando o músico ama um determinado estilo mas opta por tocar outro (que as vezes odeia) por ser mais fácil ou mais rentável. Quando se há total tranquilidade em fazer música mesclando estilos diferentes e der a sorte dessa ser a sua verdade como músico e banda, acho válido. O novo sempre é válido para mim. 

FMBR: Se tivessem a oportunidade de tocar em um grande festival ou trabalhar com alguém/alguma banda, quem/qual seria?
André: Nossos ídolos, com certeza!
Paulo André: As bandas que nos influenciam. Acho que uma Tour com Symphony X. 

FMBR: A banda é conhecida em diversos países, no que contribui essa grande aceitação e diversidade de público em geral?
Paulo André: Isso realmente ajuda muito na divulgação do nosso trabalho, tanto que recebemos convite para uma Tour na Rússia e outros países europeus.  O CD Se7en já teve especiais em rádios da Bélgica, USA , França e em breve haverá mais um especial em uma rádio da Bélgica. O CD está vendendo bem, inclusive melhor que no próprio Brasil. Já mandamos cds para Argentina, Bélgica, França, USA, Itália, Alemanha, Egito, Austrália, Inglaterra, Japão, Rússia e outros. Essa semana uma loja entrou em contato pedindo cd´s para o Japão, pois na distribuidora esta esgotado. 

FMBR: O mais novo trabalho da banda é o Se7en, de onde veio a inspiração para as composições? Elas são todas da banda?
Paulo André
Paulo André: As composições são todas da banda. Se7en é baseado no Apocalipse. Não estamos falando dele em si, apenas pegamos alguns temas e trouxemos para atualidade. Um exemplo é a música 1917. Nela estamos falando sobre a  Revolução Russa de 1917, Broken Walls é sobre a queda do Muro de Berlim e assim são com todas outras músicas.
E também pelo significado do número 7.  O número sete representa a totalidade, a perfeição, a consciência, a intuição, a espiritualidade e vontade. O sete simboliza também conclusão cíclica e renovação. Mas justamente por representar o fim de um ciclo e o começo de um novo, pois a banda passou por grandes mudanças.
Já estamos começando a trabalhar no novo cd, e posso garantir, será mais sombrio e pesado que o Se7en.

FMBR: Sei que há uma curiosidade sobre esse novo álbum, ele não tem a faixa de numero 7,porque?
Paulo André: Por ser baseado no Apocalipse, e a abertura do sétimo selo é onde o Apocalipse começa de fato, então quem abre o Cd é como se estivesse abrindo o sétimo selo. Ou seja, o que seria a música 7, é o Cd em si.
A primeira música do CD, se reparar nela tem o toque das 7 trombetas. Existem mais algumas coisas curiosidades no Se7en. 

FMBR: Muito obrigada por participar da Força Metal BR e fique a vontade para deixar uma mensagem para os fãs que acompanham a banda
Mr.Ego: Muito obrigado ao Força Metal Br pelo espaço, e nosso muito obrigado aos fãs que sempre nos apoiaram.



Fiquem a vontade em entrar em contato com a banda pela página oficial no Facebook ou por e-mail.
Facebook:
Youtube:
Site:
E-mail:


Por Laíse Moreira S.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...